sábado, 1 de fevereiro de 2014

Metamorfose de Narciso - Salvador Dali

Metamorfose de Narciso -   Salvador Dali


Salvador Dali  desde a infância demonstrou interesse pelas artes plásticas. Em 1921, entrou para a Escola de Belas Artes de São Fernando, localizada na cidade de Madri. Porém, em 1926, foi expulso desta instituição, pois afirmava que ninguém era suficientemente competente para o avaliar.O trabalho de Dalí chama a atenção pela incrível combinação de imagens bizarras, oníricas, com excelente qualidade plástica e foi um dos grandes nomes  influenciado pelos mestres do Renascimento.(Fonte:http://www.suapesquisa.com/biografias/salvador_dali.htm)

"A obra "Metamorfose de Narciso" é uma obra ambigua. Ao mesmo tempo que vemos Narciso, ele aparenta ser várias rochas, uma em cima da outra. Na mão que segura o ovo, simbolo da vida, vemos algumas marcas, como se fossem formigas. Dali tinha pavor de formigas, pois na sua infância as viu devorar uma lagartixa ferida mas observe que a  rachadura no ovo combina com a sombra do cabelo de Narciso, e também com a fissura na unha do polegar, dando à mão um caráter petrificado, surreal, mais adequado ao estilo de Dalí do que seria uma mão de aparência realista."(Do blog Missão e resgate). Podemos aqui fazer um paralelo do simbolismo que a unha tem em uma técnica oriental chamada Leitura Corporal, na qual cada parte e sintoma do corpo tem uma correspondência emocional. Segundo essa idéia, a unha corresponde à autoconfiança do indivíduo, podendo ser considerada mais forte ou mais frágil, dependendo da constituição física. Nesse caso, e por ser o polegar simbolicamente o dedo da auto-afirmação, a rachadura pintada por Dalí pode ser lida como a quebra e a morte da vaidade. Além disso, a rachadura pode ser ainda ligada à maneira com que Dalí freqüentemente se referia à sua personalidade: metade uma pessoa ordinária, metade um gênio, o que reforça a idéia de que o quadro poderia  ser um auto-retrato."

Na representação de Dalí, a  flor brota de um ovo, símbolo da germinação da vida e ao mesmo tempo do seu mistério e fragilidade. É da união dos contrários que nasce o novo. A criação do novo, contudo, não pode ser testemunhada senão na obscuridade, como atesta a oscilação da luz do plano diurno em que Narciso se contempla nas águas para o plano noturno da petrificação do corpo.

Há quem discuta se a metamorfose do título está em Narciso que se transforma na imagem da mão com o ovo, ou o contrário. A primeira idéia é  facilmente embasada através da simbologia das imagens. Narciso é apresentado como um objeto inanimado, sem vida, como uma forma crisálida. A mão tornou-se, além da forma de Narciso morto, uma mão que agora segura uma nova vida na forma de uma flor. O próprio Dalí disse que essa pintura tratava sobre a morte e petrificação de Narciso.


"Na Metamorfose, pela experiência da plenitude do ser, o corpo converte-se em lugar de fina criação e fonte de todos os renascimentos. A fria e pálida magreza dos dedos de pedra lembra o destino de todos os corpos sujeitos à erosão do tempo. Onde se extinguiu o dourado reflexo da vida, soçobrou o solitário esqueleto, na presença do qual até o céu escurece, carregando a leveza das nuvens com uma armadura de chumbo.
Mais atrás, como se, no fundo, todas as grandes verdades não passassem de uma perpétua repetição de falsas imitações, erguem-se silenciosas montanhas cuja lava arrefecida dá lugar a imponderáveis rugas de basalto. No sopé de tais imemoriais testemunhos do tempo, surgem os minúsculos lugares do Homem, os seus berços, as suas medidas, as artificiosas proporções que lhe oferecem a ilusão da harmonia do mundo. Daí parte o caminho de lama, cujos sulcos são os traços dos seus passos.O caminho de lama termina junto à água. Aí, no ponto em que é impossível separar a terra da água e a forma do informe, repousa Narciso, como que regressado ao ventre materno. Aí se projetam as montanhas , o céu e o próprio Narciso que  parece estar profundamente envolvido numa experiência deleitosa de si mesmo, saboreando num silencioso gemido as carícias do espelho de água.
Atrás de si, no caminho, uma turba de seres andróginos realiza uma última dança, à beira do precipício que, no fim do caminho de lama, os separa de Narciso. São os arautos da contradição, personificações da sensual geração da eterna repetição do novo."


direita do quadro, no primeiro plano, existe um cão que rasga uma carne, quase uma carcaça, talvez representando a morte de algo que algum dia já foi belo. Formigas, que são um tema recorrente nas pinturas de Dalí, escalam a mão petrificada, representando a deterioração, a decomposição e, novamente, a morte. Aglomeram-se na base e seguem seu caminho em direção à flor de Narciso, ameaçando sua existência.É notável também a presença de nuvens pesadas, um céu que anuncia uma tempestade: novamente a idéia da morte é retratada, da mesma forma que escureceu o céu na ocasião da morte de Jesus Cristo.
Com seus tons terrosos e áridos, que remetem à morte, Dalí retratou a morte da vaidade, mas uma morte que faz brotar o novo, o belo.


A LENDA DO NARCISO

Na antiguidade mais remota do povo grego nasceu Narciso.Narciso era um jovem de singular beleza, filho do deus-rio Cefiso e da ninfa Liríope. No dia de seu nascimento, o adivinho Tirésias vaticinou que Narciso teria vida longa desde que jamais contemplasse a própria figura. Indiferente aos sentimentos alheios, Narciso desprezou o amor da ninfa Eco - segundo outras fontes, do jovem Amantis - e seu egoísmo provocou o castigo dos deuses. Ao observar o reflexo de seu rosto nas águas de uma fonte, apaixonou-se pela própria imagem e ficou a contemplá-la até consumir-se. A flor conhecida pelo nome de Narciso nasceu, então, no lugar onde morrera. Segundo uma das versões, incapaz de satisfazer seus desejos ele se inclinou para a frente até abraçar a imagem, caiu de cabeça dentro d'água e se afogou. Depois os deuses o transformaram em flor.

Em outra versão da lenda, Narciso contemplava a própria imagem para recordar os traços da irmã gêmea, morta tragicamente.


Salvador Dalí mostra Narciso sentado a beira de um lago, olhando para baixo, enquanto, próximo, está uma figura de pedra se decompondo que se parece bastante com ele, mas que é percebida de uma outra forma bem diferente - como a mão que segura um bulbo ou ovo, de onde brota um narciso.

Na psiquiatria e particularmente na psicanálise, o termo narcisismo designa a condição mórbida do indivíduo que tem interesse exagerado pelo próprio corpo.

                                                ............................


Salvador Dali foi um artista versátil. Algumas de suas obras mais populares são esculturas e outros objetos, e ele também é conhecido por suas contribuições ao teatro, moda e fotografia, entre outras áreas.As excentricidades e declarações provocadoras fizeram de Salvador Dalí uma das mais polêmicas figuras da arte contemporânea, mas não impediram que sua obra fosse reconhecida como uma das mais audaciosas e apuradas da pintura surrealista.


Fonte bibliográfica: Wikipedia ,Cyber Artes 
   A  Q  U  I   no texto de Juliana Nunes.

Cquote1.svg … Estou pintando quadros que me fazem morrer de alegria, estou criando com absoluta naturalidade, sem a menor preocupação estética, estou fazendo coisas que me inspiram com uma profunda emoção e estou tentando pintá-los com honestidade.






Cquote2.svg
 Salvador Dalí, em Dawn Ades, Dalí e Surrealismo

6 comentários:

  1. Nunca havia pensado nisso apesar de tantas vezes em que vi este quadro o maximo que eu pude obserar foi a semelhanca do homem e da mao ><

    ResponderExcluir
  2. Olá, Soniamar! Grata pela visita! Teu blog é excelente!
    Volte ao Tear quando quiser!
    Bj, Tê

    ResponderExcluir
  3. Estou curtindo este passeio longe!
    Viagem longa… Mas o jardim das rosas existe!
    Vim retribuir a visita, seu comentário foi muito gentil!
    Voltarei sempre

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Havia me esquecido. Li a Metamorfose de Narciso - Salvador Dali. Aprendi um pouco.

    abraços

    ResponderExcluir
  5. seu blog é muito bom ,,obrigado !!!

    ResponderExcluir